Telefone Inteligente versus Pessoas Burras

Smartphone virou vício na vida das pessoas.
Aqui em casa, digo pra minha filha, que o smartphone tornou-se extensão do braço dela e percebo que isso ocorre com 99% dos adolescentes e um outro tanto de gente.
Antes de prosseguir, vamos entender o significado do smartphone: É um termo inglês que traduzido para o português tem o sentido de "telefone inteligente."
É um celular com função de computador, com tecnologia avançada e que inclui programas executados por um sistema operacional semelhante aos computadores.
Os sistemas operacionais permitem que desenvolvedores criem milhares de programas adicionais, com diversas utilidades.
Geralmente, um smartphone possui características mínimas de hardware e software, sendo as principais a capacidade de conexão com redes de dados para acesso á Internet, sincronização de dados do organizador com um computador pessoal e uma agenda de contatos que pode utilizar toda a memória disponível do celular.
Sendo assim, o portador de um smartphone pode se manter conectado com o mundo durante as 24hs do dia.
E aí é que começam os problemas...e o motivo para eu ter escrito esse post.
O que era para ser utilizado por executivos, com o passar dos tempos, foi ganhando novos horizontes e atingindo os mais diversos tipos de público (principalmente os adolescentes).
Em decorrência ao acesso fácil e rápido a Internet, devido a disponibilidade de zonas de Wi-Fi em escolas, universidades, shoppings centers, bares e demais locais públicos, a proliferação dos smartphones ocorreu em larga dimensão.
O que poderia ser usado para beneficiar os estudos - por exemplo - deu lugar a outros usos e costumes, nem tão úteis como o previsto inicialmente.
O que vemos hoje é o mau e indiscriminado uso desse aparelinho, que pelo visto, veio pra ficar. A moda pegou e a tendência é permanecer e ganhar cada vez mais espaço na vida das pessoas.
Entretanto, o desequilíbrio social gerado por uma prática intensa dos recursos disponíveis pelo smartphone na vida dos adolescentes, acarreta um comportamento considerado pela maioria dos psicólogos, como prejudicial ao desenvolvimento saudável.
Além disso, o uso descontrolado pode comprometer a integridade e a segurança dos adolescentes.
Um click e...tudo pode desmoronar, devido a exposição excessiva e sem nenhuma cautela ou precaução.
Inclusive já existe uma nova doença catalogada e chamada de NOMOFOBIA.
Sendo assim, moderação é a palavra de ordem para evitar cometer excessos, com esse objeto que vive ao alcance de suas mãos em tempo integral...
Siga-me:


Google+: Silvana Haddad

Texto protegido pela Lei nº 9610/98 - Direitos autorais.

Texto de Reflexão



Saudações, Gente Linda!

Procurando uma coisa, encontrei outra... rsrsrsrs.... Encontrei este texto maravilhoso de Ruth Manus sobre nós que trabalhamos e nunca temos tempo para nada. Não temos tempos para nossos familiares, amigos, para viver, amar, curtir... Só temos tempo para "ganhar" dinheiro e nada mais. E acabamos esquecendo das coisas boas da vida: o sorriso do nosso filho, tomar um sorvetinho na praça, ver um bom filme agarradinha com o marido, dizer Eu Te Amo para quem está sempre perto da gente.

Leia o texto e reflita como está hoje a sua vida e depois comente,,,


"A triste geração que virou escrava da própria carreira"

E a juventude vai escoando entre os dedos.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre.

Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.

Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar o aluguel, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.

Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.

Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.

Frequentou as melhores escolas.

Entrou nas melhores faculdades.

Passou no processo seletivo dos melhores estágios.

Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.

E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.

Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.

Ninguém podia os deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.

O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.

O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.

O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.

Mas, sabe como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.

Essa geração tentava se convencer de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.

Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.

Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.

Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipe? Sim.

Mas para a vida, costumava ser não:

Aos 20 eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.

Aos 25 eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.

Aos 30 eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.

Aos 35 eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.

Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão ruim como parecia.

Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias em um hotel fazenda pudessem fazer algum sentido.

Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expectativas da empresa, dos olhares curiosos dos “amigos”.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.

Só não tinha controle do próprio tempo.

Só não via que os dias estavam passando.

Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bônus do final do ano não comprariam os anos de volta.

Ruth Manus


O que acharam do texto? Conhece gente assim?

Eu, graças a Deus, um dia vivi para trabalhar, mas hoje eu trabalho para viver! O tempo que tenho eu curto meu filho, meu marido, meus pais, minhas amigas, minha vida... Pelo menos eu tento, pois assim eu me sinto feliz.

Mural de Inspirações


(via)

Olá pessoal!
Antes, vou me apresentar bem rápido!
Sou a Iandara, dona do blog Dica e Tal, e estou aqui para dar dicas sobre decoração, tendências e tudo que nós mulheres amamos!

No post de hoje, trago algumas ideias para vocês que desejam ter um mural de inspirações!
Mas, o que é um mural de inspirações?
Simples: é um local onde você coloca tudo aquilo que você gosta! Fotos, lembranças, recados, etc...! Tudo aquilo que te inspira ou vai te inspirar um dia, quem sabe!

Acho essa ideia de ter um espaço com inspirações, fantástica! Imagina só, você acorda um dia meio deprê ou sem ideia pra nada, e ai bate o olho no seu mural e vê aquela frase bacana ou uma foto que você ama! Impossível começar o dia tristinha né?

Então, vamos as ideias? Ah, e se vocês tiverem mais sugestões, contem pra mim nos comentários tá?!


(via)

(via)




(via)





Viram só pessoal, quanta ideia bacana dá pra montar?
Vocês podem colocar um quadro de cortiça, ou colar tudo em uma cartolina e depois pregar na parede...
Ah, achei incrível a ideia do varalzinho para montar as fotos!

O que acharam? Me contem nos comentários!


obs: algumas fotos estão sem créditos.. se alguém souber, me conta pra eu atualizar ok?)