Violência Doméstica



Saudações, minhas Lindas Amigas do blog. O post é automático, pois estou manhã e tarde em reunião na escola onde leciono, resolvendo a questão do horário e mais uns acertos no planejamento pedagógico.
Vamos ao post... Sabemos que a cada dia cresce mais e mais a violência contra a mulher. Mas e como identificar uma possível agressão? É o que vamos ver através deste texto que selecionei para vocês, Meninas. 

"A questão da semana é o caso da mulher que teme ser agredida pelo marido. E esse temor não é incomum. No Brasil, uma em cada quatro mulheres sofre com a violência doméstica. As estatísticas mostram que grande parte dos ferimentos físicos e assassinatos ocorrem entre pessoas que vivem juntas. Segundo um artigo do jornal americano New York Times, o comandante das forças das Nações Unidas na Bósnia costumava se referir aos rugidos noturnos das metralhadoras no centro de Sarajevo, em 1993, como 'violência doméstica'.

Numa relação amorosa é comum haver discussões, afinal, quando não se está de acordo com alguém argumentar, mesmo de forma veemente, é um modo de reconhecer o outro, de levar em conta que ele existe. Na violência, ao contrário, o outro é impedido de se expressar, não existe diálogo. A agressão física não acontece de uma hora para outra. Tudo tem início muito antes dos empurrões e dos golpes. Um olhar de desprezo, uma ironia, uma intimidação, são pequenas violências que vão minando a autoestima da mulher.

Antes do primeiro tapa as mulheres devem reagir à violência verbal e psicológica. Para isso é essencial que elas aprendam a perceber os primeiros sinais de violência para encontrar em si mesmas a força para sair de uma situação abusiva. Compreender por que se tolera um comportamento intolerável é também compreender como se pode sair dele.

Não é nada fácil para o homem corresponder ao ideal masculino que a sociedade patriarcal lhe exige. Homens e mulheres têm as mesmas necessidades psicológicas — trocar afeto, expressar emoções, criar vínculos. A questão é que perseguir esse ideal impede a satisfação das necessidades, e a impossibilidade de alcançá-lo gera frustração. Está aberto o espaço para a violência masculina no dia-a-dia. Essa ideia se confirma quando os estudos mostram que a violência contra as mulheres não é a mesma em todos os lugares. É muito maior onde se cultua o mito da masculinidade.

É interessante observar que não há necessidade do uso da força para subjugar o outro; meios sutis, repetitivos, velados, ambíguos podem ser empregados com igual eficácia. Atos ou palavras desse tipo são muitas vezes mais perniciosos que uma agressão direta, que seria reconhecida como tal e levaria a uma reação de defesa.

A psicanalista francesa Marie-France Hirigoyen, que pesquisou bastante o tema, faz uma severa crítica aos psicanalistas que consideram que as mulheres que permanecem na relação experimentam uma satisfação de ordem masoquista em ser objeto de sevícias. 'É preciso que esse discurso alienante cesse, pois, sem uma preparação psicológica destinada a submetê-la, mulher alguma aceitaria os abusos psicológicos e muito menos a violência física'.”


Creio que este assunto é muito pertinente à todas nós. Aguardo os comentários de vocês, Meninas.




6 Comentário(s)
Comentário(s)

6 comentários:

  1. love :)

    http://newlifewithfashion.blogspot.com/2013/03/412-retro-inaczej.html

    ResponderExcluir
  2. ameiiiiii lu
    acho que vou ler no meu programa
    hahahahhahahaha
    no dia 8

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Marcelle! :-)
      O texto serve de alerta para todas nós.
      Beijinhos, Flor!

      Excluir
  3. Olá!!!
    Parabéns pelo texto.
    Infelizmente esta violencia vem de anosas vezes o agressor e uma pessoa que não demostra agressividade nenhum e de umdia para outro vira um monstro... Só que para diminuir esses números as autoridades tem que acreditar mais nas denuncias e não levar isso como mais uma briga de casal... Obrigada. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza... Muitas vezes as autoridades não acreditam e terminam em tragédias.
      Obrigadinha por seu coment, Linda. Beijinhos!!!

      Excluir

• Os coments são moderados para eu responder todos.
• Comente sobre a postagem.
• Sua opinião, sugestão, dica e alerta são bem-vindos!