Oi, minhas Lindas... Hoje vou tocar em um assunto super delicado: dinheiro do casal.


Quando somos solteiros, namorados, noivos, ganhamos nosso dinheiro e gastamos como queremos. Alguns ajudam em casa (foi o meu caso quando morava com meus pais), outros gastam apenas consigo próprio. Mas e depois que casamos? Como fica? Como deve ficar?

Não sei se sou antiquada ou moderna demais, e minha opinião pode divergir de muitas que vão ler este pequeno artigo. Pois bem, minha opinião é: Casou? Somou o amor, a responsabilidade, os corpos, tudo? Então por que não somar o dinheiro também? Aqui o que é meu é dele e vice-versa. Meu salário e o de meu marido é nosso, é junto, é um só.

Não entendo porque um casal separa as contas: eu pago isso, isso e aquilo, e você paga isso, isso e aquilo. E ainda tem aqueles casos em que um dos dois pede dinheiro emprestado para o outro porque o seu acabou e o outro ainda fica cobrando depois. Afffffff...

Eu acredito que quando dois resolvem se casar tudo deve ser compartilhado, partilhado e somado. Claro, algumas vão dizer: "Ah, mas meu marido não deixa nem eu comprar um batom, ou perfume, ou roupa, se for assim. Preciso do meu dinheiro para mim!". Certo... nada que uma boa conversa não possa resolver: se há soma de bens, pagamento de despesas, sobra algum, não? Então, pode-se pegar o que sobrou, tirar um tanto para juntar ou eventual despesa e o resto dividir real para um, real para outro. Ou mesmo, vez por outra, juntar o que é "de cada um" e gastar juntos em uma viagem, por exemplo. Depois do casamento agora serão um casal e não apenas um; são dois que representam uma só carne.

Um dos fatores principais para o divórcio é o dinheiro, e devemos preservar a nossa família, a nossa união. O dinheiro não pode nem deve ser uma maldição de brigas entre o casal, mas sim, uma bênção para ambos.

Pois bem, meu marido e eu desde os tempos de namoro, conversamos muito sobre este assunto, e combinamos que mesmo que um ganhasse mais que o outro, iríamos juntas as duas rendas, pagar as contas, deixar um livre, e o que sobrasse seria dividido. Claro que, mesmo assim, não "torramos" tudo de uma vez comprando tudo que vemos pela frente, e também mesmo cada um tendo o "seu" a gente conversa sempre com o outro antes de comprar.

Uma boa opção para o casal, além de tudo que escrevi, é terem um "minhaeiro" (kkkkkk... é a nova! Entenda-se "cofrinho") para juntarem moedas juntos.

Claro, não posso esquecer que existem casamentos e casamentos. Há casamentos em que o homem sustenta a casa sozinho, ou a mulher é quem sustenta. Mesmo assim, para tudo existe solução, basta para isso conversar e entrarem em um acordo.

O marido ou a esposa tem que lembrar que antes do casamento o cônjuge que não trabalha era "sustentado" pelos pais, então nada mais justo que separar uma "mesada" para o seu par, não? Como já citei, o casal tem que conversar sobre o assunto.

Bom, mas é essa é a minha opinião, e é um dos "segredos" para uma boa convivência com meu marido.

Aguardo os comentários... rsrsrsrsrs...